Síntese de Evidências para Políticas de Saúde

Opção 1 – Produzir e disseminar sínteses de evidências com linguagem adaptada a diferentes públicos

Desenvolver estratégia de tradução de conhecimento através da produção de sínteses de evidências com linguagem acessível, sucinta e de fácil interpretação para todos os públicos, incluindo usuários, profissionais de saúde e, em especial, tomadores de decisão no âmbito das políticas de saúde e seus apoiadores.

Quadro 1 – Achados relevantes para a opção, segundo revisões sistemáticas

Categorias dos achados Síntese dos achados mais relevantes
Benefícios Uma revisão sistemática de média qualidade apresentou estudos baseados em entrevistas para identificar os facilitadores e as barreiras no uso de evidências por tomadores de decisão (INNVÆR et al., 2002). Os autores identificaram que, dentre outros fatores, a apresentação de recomendações claras e resumidas poderia promover o uso de evidências científicas por tomadores de decisão.

Uma revisão sistemática mais recente ratificou que a clareza, a relevância e a confiabilidade da pesquisa são fatores que afetam a incorporação de evidências na tomada de decisão (OLIVER et al., 2014). Adicionalmente, um estudo indicou que a forma de apresentação da evidência científica pode influenciar a percepção de sua aplicabilidade e suas vantagens, facilitando ou dificultando seu uso (LOGAN; GRAHAM, 1998).

Outra revisão sistemática recente de ótima qualidade revelou que os recursos de tradução do conhecimento (i.e. resumos, sínteses de evidências e overviews) avaliados indicaram grande utilidade das informações apresentadas nas tomadas de decisão e alguns, inclusive, demonstraram o uso direto das informações (CHAMBERS et al., 2011).

Nesse sentido, uma revisão sistemática indicou que o uso de mensagens direcionadas somadas ao acesso online a revisões sistemáticas aumentou a tomada de decisões informadas por evidências em políticas e programas de saúde pública (PERRIER et al., 2011). De acordo com uma revisão sistemática de alta qualidade, para suprir as necessidades dos tomadores de decisão, a evidência científica deve ser pensada de modo a ser facilmente incorporada pelo senso comum (ORTON et al., 2011).

Outra revisão sistemática atual e de alta qualidade revelou que mensagens contendo evidências não enquadradas a contextos específicos e construídas em forma de narrativas são mais convincentes do que mensagens que incluíram informações estatísticas (McCORMACK et al., 2013).

Danos potenciais Não foram reportados danos potenciais relacionados com esta opção, entretanto, acredita-se que o uso de linguagem adaptada a diferentes públicos pode gerar problemas na interpretação do conteúdo
Custos ou custo/efetividade em relação à situação atual Não foram encontrados estudos que avaliaram o custo ou custo-efetividade desta opção, mas os investimentos relacionados à implementação da mesma devem, necessariamente, incluir a capacitação de recursos humanos para produzir sínteses compatíveis aos interesses e necessidades de diferentes públicos. Uma revisão sistemática indicou que capacitações podem aumentar a habilidade de pesquisadores em produzir evidência útil para tomadores de decisões e melhorar a capacidade dos tomadores de decisões em avaliar e interpretar os resultados (ORTON et al., 2011)
Incertezas em relação aos benefícios, danos potenciais riscos, de modo que o monitoramento e avaliação sejam garantidos se a opção for implementada Em decorrência da limitada literatura encontrada sobre essa opção, é difcil estmar as incertezas, danos e riscos associados à implementação da mesma. Entretanto, espera-se que não existam danos ou riscos signifcatvos ligados a esta opção. No entanto, uma revisão sistemátca revelou que a produção de mensagens com apelo mais amplo, não adaptadas a públicos específcos, são mais convincentes do que as mensagens adaptadas (McCORMACK et al., 2013).
Principais elementos da opção (se ela já foi implementada/testada em outro lugar) O uso de linguagem adaptada para diferentes públicos na produção de sínteses de evidências é o elemento principal da opção, embora não tenham sido identificados estudos que demonstrem sua implementação.
Percepção dos sujeitos sociais (grupos de interesse) envolvidos na opção, quanto à sua efetividade Uma pesquisa desenvolvida por Campbell et al. (2009) demonstrou que os tomadores de decisão, apesar de acharem que evidências cientfcas são relevantes, indicaram que o formato no qual as mesmas são apresentadas é pouco útl, demonstrando difculdade em encontrar sumários curtos de pesquisas ou sínteses de evidências. Por outro lado, mais da metade dos pesquisadores entrevistados indicaram reconhecer implicações polítcas e prátcas dos seus achados cientfcos. No entanto, apenas 34% indicou produzir recomendações ou sínteses voltadas para tomadores de decisão (CAMPBELL et al., 2009). Outro estudo revelou que cerca de 35% dos tomadores de decisão entrevistados mencionaram não encontrar mensagens claras sobre o direcionamento das ações (EL-JARDALI et al., 2012).

Adicionalmente, uma pesquisa realizada em Uganda com tomadores de decisão e pesquisadores revelou que cerca de 70% dos entrevistados indicaram a necessidade de melhorar a disseminação da evidência a partr de mensagens adaptadas para diferentes públicos (OREM et al., 2012). Recentemente, uma pesquisa desenvolvida por Moat (2014) em países de média e baixa renda indicou que formuladores de polítcas, as partes diretamente interessadas na polítca e pesquisadores avaliaram positvamente a produção de sínteses de evidências para problemas de saúde. Uma revisão sistemátca recente indicou que a visão do tomador de decisão quanto à utlidade da evidência cientfca é determinante para o uso da evidência na tomada de decisão (OLIVER et al., 2014).