Síntese de Evidências para Políticas de Saúde

Potenciais barreiras

Opção 3 – Presença de acompanhante para suporte à gestante durante o parto

Paciente / Indivíduo

  • A presença do acompanhante com o objetivo de proporcionar suporte à parturiente antes, durante e após o trabalho de parto não deve significar uma barreira em relação à própria gestante.
  • Deve-se preparar a pessoa de sua escolha durante numa etapa prévia ao parto, provavelmente a preparação do acompanhante durante o pré-natal dará as condições e a capacidade para a realização do suporte necessário no momento prévio ao parto, durante o trabalho de parto propriamente dito e no pós-parto.
  • É provável que sejam identificadas barreiras com relação ao suporte realizado pelo companheiro, em função da cultura sexista ainda muito disseminada no nordeste brasileiro.


Trabalhadores de saúde

  • Deve-se garantir que a presença do acompanhante não seja vista como uma ameaça à autonomia dos profissionais de saúde, especialmente aqueles diretamente ligados à assistência ao parto, como médicos, obstetras, neonatologistas e outros.
  • A presença do acompanhante durante o parto não deve ser vista como uma intromissão externa, já que o suporte que este pode proporcionar à parturiente tem potencial de interferir positivamente em todo o processo.
  • Deve-se promover junto aos trabalhadores de saúde a idéia de que a presença do acompanhante de escolha da gestante, preparado para dar suporte contínuo antes, durante e após o parto representa um elemento a mais na assistência de qualidade à parturiente.


Organização de serviços de saúde

  • As estruturas físicas dos hospitais gerais, maternidades e urgências não estão em geral adaptadas para acomodar o acompanhante na sala de parto.
  • É necessário um esforço adicional para que os espaços pouco adequados sejam redimensionados ou adaptados para que seja possível a realização do apoio contínuo ao trabalho de parto pelo acompanhante externo aos quadros profissionais do serviço de assistência ao parto.
  • É preciso garantir que as barreiras estruturais não sejam tão relevantes a ponto de impossibilitar a implementação dessa opção para a redução da mortalidade perinatal.


Sistemas de saúde

  • No âmbito do SUS, a PHPN prevê direitos da e do neonato. No entanto, se deve ampliar sua efetividade incentivando a presença do acompanhante na sala de parto, buscando soluções normativas e fiscalizatórias para identificação de situações não conformes com esta proposição e a sua correção mediante a adequação dos serviços ao preconizado pela PHPN e pela Lei do Parto Acompanhado.

Anterior

Próximo